topo








 blurbox.reportagens

Transcopic Night, The Verge, Camden
   Com exceção do lançamento do segundo álbum solo do Graham, Transcopic records permaneceu inativo na maior parte de 1999 e 2000, e as pessoas seriam perdoadas de esquecer que essa é uma gravadora de verdade e não só um posto de venda e escoadouro para os projetos solo do Graham.
    1998 viu uma variedade e lançamentos que evidenciavam a predileção de seus donos por música pop experimental (Control Freaks), sons melódicos de guitarra (Ooberman) e barulho louco e caótico americano (Assembly Line People Programme, produzidos por Graham).
    Agora com o novo pessoal a bordo, o cabeça da Transcopic, Jamie Davis, tem ajudado Graham a reviver a gravadora. 2001 vê uma nova lista de tarefas e a sua agenda de lançamentos mais ocupada até então.
    Uma indicação de serviço veio com o que se espera ser o primeiro de muitos regulares showcases das bandas da Transcopic - no coração da amada Camden de Graham no pub/espaço para shows The Verge.
    Freqüentadores habituais da cidade como Andy Ross e Steve Lamacq se juntaram à mistura de pessoas apaixonadas por Blur, fixadas por Graham e evidentemente curiosa quando o trio Mower subiu ao palco. Formado na faculdade Goldmith, esse trio melódico, especialista em guitar pop non-sense de 3 minutos, vocalista chamado Matt, de cabelos raspados e óculos como todos os poetas e escritores que ficam trancados no quarto.
    A próxima, Darius Hinks, de Nottingham, originalmente da banda Cable, tocou seu melódico (em relação a Transcopic) guitar rock. Tingido de folk americano, é uma mistura única. Depois da apresentação confiante dessa noite, álbum multi-platinados não parecem impossíveis para essa banda.
    Michal Guarrine da antiga barulhenta banda da Transcopic, a Assembly Line People Programme fez uma apresentação solo recitando sua inusual marca de amargura, poesia forte e de ofensas, para o público surpreso. No meio do set, ele lutou para ganhar a atenção do público que estava muito ocupado pedindo outras doses de bebida ou assistindo Graham se misturar com o pessoal, dando uma de relações públicas informal da gravadora. O boato que rolava era de que Mr. Graham estaria em assistência, mas o que rolaria mesmo seriam hinos dance favorecidos por Graham. Não foi bem assim. Graham sentou-se numa cadeira de escritório e com as letras de músicas escritas a mão no colo dedilhou em sua Gibson uma série de novas músicas, confirmadas depois por Graham seus nomes: I'm Going Away, Tired, Bonfires, e uma cover de uma música do Big Star, Night Time. Como sempre agradando o público, Graham presenteou aqueles mais fiéis com algumas seleções do seu primeiro álbum, mas, nem sinal de You're so great, para a inconformação de seus fãs.
    Finalmente, a banda que começou a renaissance da Transcopic, o quarteto de Nova Iorque Bunsen Honeydew tocou um set de músicas de seu álbum de lançamento, Disn't You Used To Be Invisible? mostrando uma paixão de comprometimento e crença em seu material. Barulhos apropriados e um desfecho bem Transcopic para uma noite de sucesso. Mais shows estão planejados, e sem dúvida serão em Londres. Confira www.transcopic.com - diversão garantida para todos.

<< voltar