topo








 blurbox.reportagens

Bowie fala sobre Blur
   Desde que Think Thanks saiu, eu o tenho colocado em minha lista de 'vá comprar' para amigos. Junto com os novos de Gradaddy, Dandys e Radiohead. Entao foi uma boa surpresa quando Gail nos contou sobre o ensaio outro dia quando ela havia encontrado alguns membros do blur no lobby do hotel e eles eles contaram a ela que iriam tocar no Hammerstein Ballroom. Eu nunca iria ficar sabendo. Por algum motivo eu nao ví nenhum poster pela cidade, mas tambem quando estou em ensaios e modo de trabalho eu tendo a ficar tão preocupado que muitas coisas passam sem eu tomar conhecimento. Eu fico muito concentrado no trabalho.
   
    Os caras do blur nos deram um camarote muito legal do lado superior direito da casa. Otima vista e som excelente já que estavamos paralelos as caixas de som. Eu cheguei lá um pouco cedo e conversei com Damon, quem eu nao via há anos. Dave Rowntree entrou uma hora com um livro na mao (algo sobre o colapso do mundo 'dotcom') e nós trocamos titulos. Eu dei a ele o nome de uma situação equivalente no século XVIII chamado "Uma conspiração de papel". Alex estava assistindo um programa no Discovery Channel aparentemente, sobre "Vida em Marte".
    O show em si foi muito bom. Uma performance muito certa sem enrolações. Apenas bons instrumentistas e muita energia. Song 2 fez a casa cair abaixo, é claro, como todas as outras musicas mais velhas. Mas o material novo tambem fez sua parte. Foram boas duas horas, eu diria. Junto conosco estavam Gail, Sterling e seu amigo, eu, Heidi Slimane (ele fez as roupas justas que eu usei ano passado) e um pessoal que era fan do Blur. Em nossa frente, acho q vimos alguns Strokes, Drew Barrymore e alguem quem eu nao me lembro o nome.
    De volta ao estudio no dia seguinte nos tentamos colocar Song 2 em tudo que tocávamos. Hilário.
   
   

<< voltar